quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Eu disfarço, pra não mostrar saudade, Muito embora eu esteja quase morto.

Ela é como a santa no altar
Do meu templo de amor que fiz abrigo
E esse laço de nós é tão antigo
Que mil eras não podem desatar.
Posso mil oceanos desbravar
Só encontro em seu colo algum conforto
Como bom marinheiro encontra o porto
Pra ancorar-se ao cair da tempestade
Eu disfarço, pra não mostrar saudade,
Muito embora eu esteja quase morto.

Pedro Torres

2 comentários:

  1. Pedro! Como sempre lindo, parecia melodia sentida na janela. Muita saudade daqui. Fiquei um tempo escrevendo, sem publicar, mas sempre que posso venho aqui. Um abraço querido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudade, Milene! Cheiro na alma! E volta sempre, quero ver tuas publicações também. Valeu!

      Excluir

Direito à Réplica Poética...