quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Essência

Como a rosa perfuma a mão que a esmaga
A minh'alma perdoa os teus deslizes
Porque amor que não morre, e tem raízes
Faz a essência, no peito, encontrar vaga.

Se a distância nos fere feito a adaga
Da lembrança dos dias mais felizes
É provável que as nossas cicatrizes
Sejam marcas que o tempo nunca apaga.

E "quem sabe?" o destino, mais na frente,
Une os rastros de dor que fez da gente
Andarilhos do amor, sem vaidade...

E no abraço acalmando os meus anseios
Eu devolva no ardor entre teus seios,
Uma lágrima de amor ...e de Saudade!

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...