segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Dos espinhos...

Tantas idas e vindas confirmavam:
“- Nosso amor não morrera nas raízes!"
E a lembrança dos dias mais felizes
Eram flores bonitas que murchavam.
Sem distâncias perversas se podavam
Os espinhos da falta que ressoa
Que o passado ferindo, só magoa
Quem não planta esperança no presente
Se o passado voltasse, certamente
Não voltava somente a parte boa.

Nossos erros ficavam no passado
Numa campa de sonhos e carinhos
Adubando a esperança nos caminhos
Com o espinho da dúvida podado.
Na certeza do equívoco foi dado
Todo espaço do orgulho que maltrata
E esse nó na garganta só desata
No calor de um abraço, simplesmente
Se o passado voltasse pro presente
Eu matava a saudade que me mata.

Se assim fosse, também, nós dois seríamos
Mas, não somos e a "falta" não é minha
Meu castelo de sonhos, sem rainha,
Vira escombros do amor que construíamos.
Na aventura inocente que vivíamos
Não daria pra ter os dois caminhos
Encontrados no rumo dos carinhos
Com o amor adentrando em nossas portas
Hoje as flores sonhadas estão mortas
Num jardim de esperança sem espinhos

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...