sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Retirei seu retrato da carteira Sem tirar seu amor do coração.

Procurei me afastar, mas foi perdido
Que a lembrança da gente é como um vício
Nos levando pro mesmo precipício
Da memória de um tempo bom vivido.
Que até mesmo um retrato colorido
Já rasgado por sua ingratidão
Acha espaço na estante da ilusão
Pra tirar a razão da prateleira
"Retirei seu retrato da carteira
Sem tirar seu amor do coração."

Pedro Torres
Mote de Zé Adalberto

Destruído o romance entre nós dois
Eu procuro evitar qualquer contato
Pois, não quero borrar nenhum retrato
Com o que sei que aos meus olhos vem depois.
Sequer toco no assunto "de nós", pois
Se isso importa é só a você e eu
Seu direito de amar, não prescreveu
Mas, quem dorme a justiça não socorre
E cada dia que passa um sonho morre
Só a minha ilusão que não morreu!

Você pode ostentar sua "alegria"
Disfarçar no sorriso a sua dor
Se o teu peito não sabe o que é o amor
Eu não posso lhe dar na poesia...
Se hoje tento encontrar na boemia
O que sei que aqui dentro se perdeu
É que a última esperança adormeceu
E acordar desse sono não me ocorre
E cada dia que passa um sonho morre
Só a minha ilusão que não morreu

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...