segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Eu não vejo beleza em quase nada Que não tenha beleza interior!

Num primeiro momento a boniteza
Causa impacto na hora da paquera
Mas, sem ter conteúdo a primavera
Tão sonhada não passa de impureza.
Quando a força maior da natureza
Põe perfume na pétala da flor
Também dota a raiz para transpor
Sua essência na seiva perfumada
“Eu não vejo beleza em quase nada
Que não tenha beleza interior!”

Você pode mudar sua roupagem
Colorir seus cabelos de outro tom
Usar caros perfumes e batom
Enfeitar-se com uma tatuagem.
Sem leitura, ou cultura na bagagem
A mudança restringe-se ao exterior
Que cabelo se pinta de outra cor
Mas, a alma não pode ser pintada
"Eu não vejo beleza em quase nada
Que não tenha beleza interior."

Pedro Torres
Mote de Lenelson Piancó
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...