quarta-feira, 6 de novembro de 2013

"Ave Adorada!"

Ave Adorada faz tempo que choro
Na sombra morta do teu coração
Trinando arpejos da tua canção
Nos sustenidos do meu "Dó" sonoro.

Ave Adorada, 'Lá' do meu sertão,
Faz uma cara que muito te adoro,
Mas, teus gorjeios eu nunca decoro
Preciso ouvi-los sempre à exaustão.

Amor não vinga com querer relapso
E antes que chegue no nosso colapso
Vamos por fogo em novas tentativas...

No bem sincero do querer que invade
Sinto meu peito ardendo de saudade
Na chama acesa das vontades vivas!

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...