sábado, 31 de agosto de 2013

Lentamente levando a minha vida Pela estrada veloz que dá na morte

Nesse entorno de sonhos e quimeras
Vi a última esperança adormecer
Se o destino da gente é só morrer
Não entendo, o porquê, dessas esperas
Nunca mais vi floridas primaveras
Meu jardim da existência está sem sorte
Como quem vive a vida num resort(e)
Esperando a chegada da partida
Lentamente levando a minha vida
Pela estrada veloz que dá na morte

Pedro Torres

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...