domingo, 28 de julho de 2013

FALSO JURAMENTO

Tristes verdades todas desonradas
Que possui a lábia de enganar fingindo
Com falsidades todas exaladas
Um peito aflito que vai se esculpindo

Essas quimeras com adjetivos
Conjugando verbos do anonimato
Sinônimo de amores sem subjetivos
canção penosa de algum fim de ato

São vis palavras em um juramento
Que após faladas se vão com o vento
E se repetem na mesma mesmice

Bocas erradas que também partiram
Nas amnésias todas que fingiram
E se perguntam : O que foi que eu disse?

Dayane Rocha
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...