quinta-feira, 6 de junho de 2013

Tem que ser um pipoco muito grande Pra partir o rochedo do meu peito...

Eita pedreira Poeta!

Na pedreira de casos do passado
Fiz concreto da brita de ilusões
Que o meu peito causou decepções
E outras tantas sofreu, despedaçado..
E, no entanto, se fez mais reforçado
Pras ciladas de amores com defeito
Pouca pólvora não faz nenhum efeito
Que o meu peito não é feito de 'frande'
Tem que ser um pipoco muito grande
Pra partir o rochedo do meu peito...

Na quentura mais forte de um abraço
Foi forjada em minh'alma toda a dor
Nas lições mais antigas de um amor
Que partiu, mas, deixou sempre um pedaço
Nessa luta, de fogo, ferro e aço
Vi castelos de areia ser desfeito
Sigo a trilha do amor, insatisfeito
Sem ligar pro tamanho do desande
Tem que ser um pipoco muito grande
Pra partir o rochedo do meu peito...

Pedro Torres
Mote: Esdras Galvão
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...