quinta-feira, 13 de junho de 2013

Se o papel resistir ao pranto meu Te desenho, amor meu, na poesia...

Das lembranças que guardo de nós dois
Um papel de bombom todo amassado
Com pedaços de filme prateado
Preferências que eu soube só depois
Pelas marcas que o tempo lhe impôs
Desbotou do papel toda alegria
Desse dia de amor e de magia
Que minh'alma em teu peito se aqueceu
Se o papel resistir ao pranto meu
Te desenho, amor meu, na poesia...

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...