sexta-feira, 31 de maio de 2013

Já não sei se não sei como se amar Ou se amo só quem não vale nada!

O Poeta Jessé Costa fez essa estrofe belíssima, e não pude conter em me arriscar no seu belíssimo mote:

Tantas vezes entrei de peito aberto
E saí com o peito ensanguentado
Que me pego julgando estar errado
Por viver insistindo que dá certo
Já cheguei muitas vezes muito perto
Mas no fim sempre findam a estrada
Tanta gente querendo ser amada
E eu cansado de nunca a encontrar
Já não sei se não sei como se amar
Ou se amo só quem não vale nada!

Jessé Costa

Vivi muitas histórias e loucuras
Nos jardins perfumosos dos amores
Com romances de casos promissores
E outras tantas fugazes aventuras...
Já não conto por quantas finas juras
Vi roseira do amor ser desfolhada
E no vento que as fez despetalada
Vis espinhos tomarem seu lugar
"Já não sei se não sei como se amar
Ou, se amo só quem não vale nada!"

Pedro Torres
Mote: Jessé Costa

2 comentários:

  1. Mas se não desamores, que graça a vida há?

    Faz tempo que não passo por aqui.. Aos poucos estou voltando!!

    Boa semana!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa semana Ana Clara!

      Obrigado pelo carinho? ^^

      Os desamores são intervalos entre amores. Essa a graça toda da coisa!

      Um cheiro!

      Pedro.

      Excluir

Direito à Réplica Poética...