domingo, 30 de setembro de 2012

Sonhos medonhos

Eu sonhava com uma era
Quando ouvi a passarada
Anunciando a invernada
trazendo a chuva sagrada
pra gente de meu sertão

era o fim da longa espera
Deus ouviu a minha prece
que sertanejo não equece
de fazer reza, quermece
pra oitiva do trovão

vi todos campos floridos
voavam os passarinhos
buscavam fazer os ninhos
catando palha em moinhos
pra ver os filhos crescidos

tempo de muita fartura
de preá, de rapadura
de melaço, tanajura
de fazer festas nos rios
os animais arredios..

acabara o sofrimento
já não faltava alimento
e o vento no cata-vento
trazia paz ao momento
com o som da cantilena

e eu decorava a cena
daquela tarde serena
pra se a seca voltasse
eu ver como é que nasce
a buganville vermelha

era a primeira centelha
quando o sol bateu na telha
fazendo graça co'as flores
para aliviar todas dores
varriam toda campina

de manhã u'a neblina
descia pela colina
deixando todo florido
o chão d'antes ressequido
q'eu pensava esquecera

saltavam todos os bichos
no terreiro eu via lixos
varridos na ventania
enquanto tudo acontecia
a natura e seus caprichos

acordara a primavera
última coisa que lembro
havia começado outubro
eu vi o tempo rubro
e acordei desse sonho.

um pesadelo medonho
que a todos atordoava
a seca que castigava
mal nutria, martirizava
dava ares de cansaço

pra aliviar os mormaços
Deus providenciou a chuva
nos campos vi a saúva
levando folhas nos braços
pra decorar sua casa

aquele tempo de brasa
havia por fim terminado
era tempo de arado
de fartura, de ver gado
numa profunda alegria

foi findando a poesia
que vi ao cair do dia
o começo da invernia
e o inferno que fazia
virar inverno sagrado.


Pedro Torres
Dias desses, conversando com o poeta Maviael Melo ele contou dum mote do poeta Galdêncio Pereira de Sertânia.

Os sábios de coração
Têm poder na natureza.

Mavial fez uns versos que publiquei aqui no Decanto de Poetas em 2009 e ontem lembrei do mote, mas, pela metade e saiu esse verso:

No pinho do violão
Ele toca uma cantiga
Estendendo a mão amiga
Ao caboclo do sertão
Poeta de coração
Traz o pobre à realeza
Na sutil singeleza
de uma bela poesia
Aquecendo a noite fria
Com o poder da natureza.

Salve poetas!

Pedro Torres


Facebookano

Tem gente que quando lê
Frases pelo Facebook
Faz careta, dá um look
Parece que vai ferver
Mas, nem tudo é pra você
As coisas que o povo posta:
"Vá pra merda', coma bosta,
'Boto canga', dou-lhe pisa
E, reforce o cós da camisa
Se de pancada não gosta.

Pedro Torres

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Ditos

Existem ditos errados
Eu já ouvi mais de dez
Como: "Diz-me com quem andas
E eu te direi quem és".
Acho a frase viciosa,
E até preconceituosa
Quando repetida a esmo.
Pode até servir pra motes.
Mas, Judas Escariotes
Com quem é que andava mesmo?

Poeta Pe. Brás Ivan Costa Santos

shadows

let's get some rest under the trees
let's get some pray on the knees
let's face the truth, you love me
don't hide yourself, let me see
those bright eyes set to be
my life 'o my death penalty.

Pedro Torres

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Invernia

Sinto saudade da chuva
Alegrando o ambiente
Correr atrás de tanajura
Quando a gente nem é gente
São as lembranças que trago
Guardadas na minha mente.

Pedro Torres

sábado, 22 de setembro de 2012

Os Flagelados

Deus não viu isto aqui... Não viu. Não viu que o Diabo
Atou um estopim flamívolo no rabo
E com a mais cruel satânica intenção
Espojou-se no vale, relinchou na serra,
Tirou fogo do sol, fez um vulcão na terra
E correu a ganir, incendiando o sertão!

Eis o quadro infernal: Quentura, céu desnudo,
Horizonte sem fim, desolação em tudo;
As pedras a piscar no solo calcinado,
Nenhuma folha verde a sequidão reveste
E desde o litoral aos carrascais do agreste
A terra é como um fogo imenso, escancarado.

Exauriram-se as fontes, tudo é seco: os rios
Com leito estorricado, ao longo dos baixios,
Enroscam-se no chão num morno caracol;
As árvores em pé, desnudas como espetos,
Apontam para o céu num gesto de esqueletos
Condenados por Deus, queimadas pelo sol.

O ar é um bafo quente, a terra é como brasa.
Nem a sombra volátil trêmula de uma asa
Rasteja a imensidão do campo descoberto:
As aves já morreram... Outras emigraram...
Somente os urubus famélicos ficaram
Ao pé de alguma ossada, ao longo do deserto.

Famintos animais, à margem das estradas,
Cambaleiam mordendo as palmas eriçadas
Dos cactos agressivos, secos, repelentes;
E os gemidos de dor que arrancam das entranhas,
Mal ressoam nos vales, morrem nas montanhas
Como o último sinal dos últimos viventes.

A alma triste das coisas cai no chão de bruços,
Abafando em si mesma os últimos soluços
Que a nação ouve sempre e faz que não percebe;
O retirante num estado miserável
Só tem mesmo na boca o pranto inexorável
E o paladar do sal das lágrimas que bebe.

É o clamor do Nordeste contra a dor que o mata
No drama secular da natureza ingrata,
Mesquinha e vingativa, injusta e sem amor;
É o protesto do fel que lentamente escorre
N’alma de um povo herói que nasce, vive e morre
Com a resignação de ovelhas sem pastor.

“Não chove mais esse ano”, o camponês exclama!
Nem sequer uma nuvem amortece a chama
Do sol que sobre a terra bebe o seu libelo;
Começa a inquietação, a fome, o inferno humano,
Vem o primeiro horror com o derradeiro engano
E com a última esperança o início do flagelo.

Começam a emigrar os bandos desnorteados,
Deixando atrás de si as casas e os roçados
Onde o amor lhes floriu e a crença lhes nasceu;
Tudo ali fica entregue a Deus e ao abandono,
Encarando a saudade, a dor, a alma do dono
Que chora o único bem que agora se perdeu.

“adeus meu açudinho tórrido de sede,
Meu rancho onde jamais os punhos de uma rede
Rangerão a embalar o sono do meu filho;
Jamais nesse terreiro bêbado de lua
Verei minha filhinha descarnada e nua
Que já morreu de fome, à falta de um auxílio!”

Aqui só ficarão os prantos mais sentidos
De quantos vão deixar na solidão, perdidos,
O sepulcro de um filho, os ossos de seus pais...
Mas se a fome é cruel, se Deus nos é tirano,
Fique essa última dor do desespero humano,
Aumentando a desgraça que não finda mais.

Assim falam chorando os nordestinos:
Milhares de mulheres, homem e meninos,
Engrossando as correntes do êxodo rural...
E eles vão, oh meu Deus, nas mesmas circunstâncias
Das bíblicas legiões, outrora nas distâncias
Do deserto sem fim do arábico areal.

Pela estrada poeirenta os batalhões famintos
Desenham com seus pés, confusos labirintos
Que outros pés, a seguir, não tardam a apagar.
É o drama... É o desgraçado drama degradante
Do romeiro rural, do roto retirante
Sem rumo, sem arrimo e sem arranjo, a errar.

Sob o sol causticante, ao longo das estradas,
Em torno aos troncos nus das árvores peladas
Choram homens sem fé, mulheres infelizes,
Criancinhas mirradas, como cães sem dono,
Para iludir a fome e conciliar o sono,
Mordem cascas de pau, succionam raízes.

No olhar de cada mãe desesperada e aflita
Há uma dor que vem d’alma, estúpida, infinita,
Que o coração materno em convulsão retalha,
Por ver exposto ao sol adusto e fumarento
Seu filhinho morrer famélico e sedento,
Sem um pingo de água e sem qualquer migalha!

A tragédia traduz-se atrás de um toco tronco...
E o bando sem bandeira, abandonado e bronco,
Em pós de se prover do que o país promete,
Expõe-se, estaca, estanca, esvai-se, exclama, estua
E cansa e cai e ofega e chora e continua
Na mesma cena atroz que aumenta e se repete.

No silêncio da noite à beira de alguns poços
Onde exala mau cheiro e onde branquejam ossos,
O fantasma da seca faz assombração.
Há um clamor de inocentes, orações de adultos;
E em meio àqueles magros e sedentos vultos
Samaritana alguma estende a mão.

Mal nasce o sol de novo, aqueles desgraçados
Rotos, sujos, famintos, fracos, fatigados,
Recomeçam seu lento e incerto caminhar;
Tendo apenas de seu a consciência medonha
Da humilhação extrema e última vergonha
De andarem como cães, de porta em porta a uivar.

Ai meu Deus, quanto horror, que cena ultra-Dantesca!
Será que pode haver tragédia mais grotesca,
Gente mais desgraçada em condição mais vil?
Não pode não, meu Deus, porque essa caravana
Atingiu os extremos da miséria humana
E esbarrou na maior vergonha do BRASIL

Poeta Rogaciano Leite, em Carne e Alma.

TUDO É MERDA...

O mundo é simplesmente merda pura
E a própria vida é merda engarrafada;
Em tudo vive a merda derramada,
Quer seja misturada ou sem mistura.

É merda o mal e o bem merda em tintura,
A glória é merda apenas e mais nada.
A honra é merda e merda bem cagada;
É merda o amor, é merda a formosura.

É merda e merda rala a inteligência!
De merda viva é feita a consciência,
É merda o coração, merda o saber.

Feita de merda é toda a humanidade,
E tanta merda a pobre terra invade,
Que um soneto de merda eu quis fazer...

Poeta Damasceno Bezerra

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Das Pedras

Ajuntei todas as pedras 
que vieram sobre mim. 
Levantei uma escada muito alta 
e no alto subi. 
Teci um tapete floreado 
e no sonho me perdi. 
Uma estrada, 
um leito, 
uma casa, 
um companheiro. 
Tudo de pedra. 
Entre pedras 
cresceu a minha poesia. 
Minha vida... 
Quebrando pedras 
e plantando flores. 
Entre pedras que me esmagavam 
Levantei a pedra rude 
dos meus versos.

Cora Coralina

A história de Cora Coralina é belíssima. Ela foi descoberta em Minas Gerais, por uma jornalista que estava fazendo uma matéria sobre trabalho em pedreiras.

Na pedreira que visitou encontrou uma senhora velhinha, martelando pedras. A repórter se interessou por aquela criatura pequenina e pediu para lhe entrevistar. Ela deixou de lado a marreta e convidou a jornalista para tomar um café em sua casa. Enquanto preparava o café, entregou a jornalista um caderno onde escrevia poesias.

A jornalista chorou, e matéria não mais foi escrita sobre o trabalho em pedreiras, mas acerca daquela criatura encantadora que quebrava "pedras".

domingo, 16 de setembro de 2012

De manhãzinha...

Eu beijo a face do dia
Na esperança da tarde
Vejo a fogueira arder
Pra revelar a maldade
Que o poeta arde
Pra decantar à saudade.

Pedro Torres

sábado, 15 de setembro de 2012

Dos Livros

leio um livro,

o pensamento dilata;
a mente expande;
o espírito flutua;
o nó desata;
a verdade aparece;
o dia amanhence;
o tempo voa;
o poeta cria;
o enredo envolve;
a mentira dissolve;
o problema resolve
a rima acontece;
a notícia é boa;
o vento leva;

nasce a poesia.

Pedro Torres

O Esclarecido!

Cuidado: Eu soube que ele lê livros!

Pedro Torres

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Verdade demais

Quem nasceu no Sertão já sabe tanto
Que estiagem retorna, vez em quando...
É que a seca que aqui vive assolando,
Já é coisa normal do nosso canto.
Muitos sofrem co'a seca, por enquanto,
Outros lucram em busca de "devotos".
São Políticos a pé, de carro ou motos...
Prometendo de tudo ao nosso povo,
A insdústria da seca abriu de novo,
Pra vender ilusões e comprar votos.

Poeta Vinícius Gregório

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Águas da poesia

Vez por outra, no semiárido nordestino, uma flor brota inesperadamente em meio a caatinga selvagem. E, muitas vezes, esse fenômeno ocorre justamente no período da estiagem, ou estação seca.

Como não podia deixar de ser, o povo sertanejo, vê nesse sinal, obra da criação divina.

Do mesmo modo parece acontecer com os poetas, vez por outra, surge daquele lugar uma poesia belíssima que de tão singela parece mesmo ser coisa do criador da natureza.

E assim se deu com esse verso o poeta Roberto Campos, trazido à nós pela poetisa Thaís Nunes:

'Amores são águas doces
Paixões são águas salgadas
Queria que a vida fosse
Essas águas misturadas
Eu que já fui afluente
Das águas da fantasia
Hoje moro mansamente
Nas águas da poesia'

Poeta Roberto Campos

Tic-Tac, Tic-Tac...

"'Os ponteiros parecem não girar
Tic-tac, espancando o meu ouvido,
Entretenho-me sempre convencido
Que você está perto de chegar.
A ausência do toque a me lembrar
A leveza das tuas digitais ,
Só com tua chegada subtrais
A angústia que vive a me envolver'
Quando passo um minuto sem te ver
A saudade em meu peito aumenta mais'"
-
Mote da poetisa Leillane Souza

Glosa do poeta Lima Júnior

Alentejo

Como é doce a língua,
A língua doce do beijo.
Como é doce o vinho,,
O vinho do Alentejo.

Pedro Torres

domingo, 9 de setembro de 2012

Amar de longe...

Sertanejo é um sujeito engraçado

 - Já dizia o poeta que saiu de Petrolina, Geraldo Azevedo, quando lhe perguntaram se sentia saudade de sua terra, por ter saído de lá, ele disse: "Eu saí de lá, mas lá não saiu de mim".

- Pior que ser sertanejo e viver longe de sua terra, é trazer consigo o dom da poesia. A combinação tem um efeito terrível nesse sujeito.

- E assim se dá com o Pe. Brás Ivan Costa Santos. Vivendo atualmente na Suíça, onde estuda e exerce o sacerdócio, ele disse:

Longe dele me sinto saudosista
Cada frase que digo é como um mote
Choro tanto que quase turvo a vista
As lembranças me chegam de magote.

Perto dele me torno repentista
Tomo posse completa do meu dote
Mas me disse a razão que é realista
Que estou indo com muita sede ao pote.

E pra não viver criança
Distância de segurança
Manterei do Pajeú.

Ele Pajé e eu monge
Nos amaremos de longe
Sem ser nós, só eu e tu.

Poeta Pe. Brás Ivan Costa Santos

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Assovio ao vento..

E me senti harmonia
Com as forças do universo
Pensei fazê-las um verso
Imaginando poesia

De quando tudo eu sentia
Fazer sentido, e fazia
Do vento a melodia
Pra alegrar o meu dia

Falava com os passarinhos
O defensor de seus ninhos
Correndo redemoinhos
Era feliz de verdade

Mudou-se então pra cidade
E a natureza não o obedece
Que quando a gente cresce
Tudo que resta é saudade

Dia desses novamente
Visitei o meu lugar
Conversei com a natureza
Pra ela me perdoar

Assoviei para o vento
Pensei naquele momento
Um recado te mandar

Que ventos vindo do norte
Diz do amor, diz da sorte
De nós dois se encontrar.

Pedro Torres


O começar

A poetisa Mariana Teles arrumou esse mote e fiz esse versinho:

Nascer e viver em verdes campos
Vendo a barra do dia clarear
À noitinha se encantar com pirilampos
Sem notícia da hora de chegar.
Viajar pra bem longe ver o mar
Com amigos alegrando a caminhada.
Encontrar um amor pela jornada.
Ir embora, mas, achar muito ruim
"Quem começa um caminho pelo fim
Perde a glória do aplauso na chegada."


Pedro Torres

Coração de poeta

Tem um poeta na minha terra, um cidadão de pouca idade, dessa contas terrenas que a gente faz, mas, que pela força do seu verso, é alma antiga neste mundo.

Como gotas de orvalho da matina, o poeta Dudu Morais diariamente goteja seus preciosos poemas:

Aos corações dos poetas
O tempo nega as escolhas...
Feito uma gota de orvalho,
É mais um, entre outras bolhas,
Jardim que o destino obriga
Viver mudando de folhas

Poeta Dudu Morais

Siga o poeta no Facebook para conhecer a autêntica poesia sertaneja nordestina.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Em campanha

Nossa poesia sertaneja nordestina é também palco para críticas inteligentes e precisas em forma de versos, como este da poetisa Thyelle Dias.

Chegam todos decentes, pueris,
Ostentando na face, hipocrisia
Escondendo por trás dos seus perfis,
O talento para a dramaturgia.

Chegam todos tal qual uns varonis,
Numa marcha pela democracia.
Com sorrisos e gestos tão gentis,
Pra atingir, desta forma, a maioria.

Sempre chegam, de quatro em quatro anos.
Na campanha são todos puritanos,
Guardiões da moral e dos direitos.

Mas depois que se vão as eleições,
Os sorrisos e as boas intenções,
Sempre acabam depois que são eleitos.

Poetisa Thyelle Dias

domingo, 2 de setembro de 2012

A saudade é uma doença...

Dia desses deixei um mote no Facebook e a poetisa Mônica Barbosa disse:

"A saudade é uma doença,
Que só um remédio cura."

Existem 3 males na vida
Dor, tristeza e saudade
Reféns de toda maldade
De um coração sem guarida
É a dor de uma partida
É a tristeza que dura
Desfigura a formosura
Detento cumprindo sentença
A saudade é uma doença
Que só um remédio cura

Só quem ama pode sentir
Tal sentimento cruel
É amargo como fel
E ninguém sabe o gerir
Pois dele não pode fugir
E pra acabar com a amargura:
Dose de amor e ternura.
O antídoto é a presença
A saudade é uma doença
Que só um remédio cura.

Poetisa Mônica Barbosa

Graphos

Vou caminhando pelas veredas dos versos
Mil poetas falam ao meu ouvido
Ouço os baixos acordes sustenidos
No tirinete da viola do universo
Digo coisas, falo coisas sem pensar
Transmitindo uma mensagem de outrora
Parecendo a rima a dedilhar
Os cordões d'um amor que foi embora.

Pedro Torres

Instantâneo

A felicidade é algo passageiro
Mas o momento que dura é eterno.
Talvez não faça nenhum sentido
A frase fora de contexto
Mas, não posso me atrever
A escrever em tuas fotos
De instantes de alegria.
Pois sinto o peso do mundo
Do mundo que já passei.

Pedro Torres

sábado, 1 de setembro de 2012

Confissões

Teu olhar atravessou o meu
Deixando marcas no peito
Percorreu pelas retinas
Espantou todas neblinas
Que haviam em minha alma
Deixou-me penso de um jeito
Que entortou minha calma.

Pedro Torres

Estrela cadente

Uma vantagem da poesia sertaneja nordestina é dispensar explicação:

“Viver perto um do outro a vida inteira”
Prometemos nos vendo frente a frente.
Era noite... E deitados numa esteira,
Assistimos o céu brilhar pra gente...

De repente nós vimos reluzente,
Uma estrela cadente bem ligeira.
Cada qual fez pedido em sua mente,
Como fazem de forma corriqueira.

Sem contar um ao outro o seu desejo,
Nos olhamos quietinhos, nesse ensejo,
Esconder os pedidos, foi besteira...

Nosso olhar foi sincero e distraído,
E entregou um ao outro o seu pedido:
“Viver perto um do outro a vida inteira”.

Poeta Vinícius Gregório