domingo, 28 de agosto de 2011

Ao braço do mesmo menino Jesus quando apareceu.

O todo sem a parte não é todo,
A parte sem o todo não é parte,
Mas se a parte o faz todo, sendo parte,
Não se diga, que é parte, sendo todo.

Em todo o sacramento está Deus todo,
E todo assiste inteiro em qualquer parte,
E feito em partes todo em toda a parte,
Em qualquer parte sempre fica o todo.

O braço de Jesus não seja parte,
Pois que feito Jesus em partes todo,
Assiste cada parte em sua parte.

Não se sabendo parte deste todo,
Um braço, que lhe acharam, sendo parte,
Nos disse as partes todas deste todo.

Poeta Gregório de Matos

Um comentário:

  1. Olá, Pedro, boa noite.

    Bela arvore, adoroo o jeito do Gregório Matos escrever. Faz muitos anos que li: Definição De Amor
    (Gregório de Matos)


    O amor é finalmente um embaraço de pernas,
    uma união de barrigas, um breve tremor de artérias
    Uma confusão de bocas, uma batalha de veias,
    um reboliço de ancas, quem diz outra coisa,
    é besta!

    Nunca mais esqueci,

    Bjo

    P.s.: não sabia que vc é poeta.

    ResponderExcluir

Direito à Réplica Poética...