sábado, 18 de dezembro de 2010

Apótema

Nesta distância que nos encontramos
Não sei dizer quem está mais distante
Não sei qual dos dois está mais triste
Sei apenas até quando nos amamos

Nada do que não senti foi pecado
Nada que não existiu foi passado
Nem uma fração do erro cometido
Bastaria para o sonho adormecido

Quando o único presente for o abraço
Quando eu andar já quase louco
Eu vou chorar só mais um pouco
Pra aliviar meu cansaço

Pedro Torres

2 comentários:

  1. MENINA

    Doces musas,lindas rosas,
    são porém essas meninas
    são grandes ou pequeninas,
    princesas flores cheirosas.

    Bravas,também nervosas,
    sem marcas de sofrimento,
    sem dores sem lamento.
    fracas pétalas dolorosas.

    Mas,perdeu-me o seu encanto,
    mesmo sendo,lindas por natureza,
    sendo vós,minha preferida.

    É dificil comparar sua beleza,
    dentre as flores mais queridas,
    sem mágoas,porém sem pranto.

    autor:geilson oliveira/galego

    ResponderExcluir
  2. Bonito poeta Geilson, parabéns pelo soneto!

    Valeu!

    ResponderExcluir

Direito à Réplica Poética...